Bolsonaro sobre ditadura: ‘Ferida que precisa ser cicatrizada, esquece’

Bolsonaro sobre ditadura: ‘Ferida que precisa ser cicatrizada, esquece’

O candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) disse nesta 2ª feira (30.jul.2018) que a ditadura militar é uma “ferida que precisa ser cicatrizada”. Ele foi o convidado do programa Roda Viva, da TV Cultura.

Na entrevista, Bolsonaro negou que tenha havido golpe militar e disse que não irá tornar públicos documentos da época da ditadura. Sugeriu que os episódios fossem esquecidos e usou o contexto da Guerra Fria para justificar torturas do regime.

O militar também negou acusações de racismo, negou que o Brasil tenha uma dívida histórica com a população negra e se colocou contra as cotas em universidades.

Também voltou a defender a reforma da Previdência e afirmou não ter alternativa para a área econômica além do economista Paulo Guedes.

Assista à íntegra da entrevista:

Reprodutor de vídeo de: YouTube (Política de Privacidade)

Poder360 lista a seguir o que o militar falou sobre diferentes tópicos:

Ditadura militar e tortura

Bolsonaro mencionou por diversas vezes o Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, acusado de tortura nos tempos da ditadura militar.

“Ninguém poderá ser decretado culpado. Abominamos a tortura. Naquele momento, o mundo vivia 1 momento complexo, o tal da Guerra Fria. Alguns foram torturados mesmo. Mas essa história não está bem contada. Se tivéssemos perdido, nos teríamos tornado uma grande Cuba”. 

O militar negou que tenha havido uma ruptura: “Primeiro, não foi golpe. […] Quem declarou vaga foi o parlamento. Há poucos anos, o congresso votou para anular o PDC que cassou o Goulart”.

Descartou a publicização de documentos secretos da época da ditadura.

“Você acha que esse tipo de gente morreu por democracia? Não tem mais arquivo nenhum. Desconheço. É uma ferida que precisa ser cicatrizada. Esquece isso aí. É daqui pra frente. Os papeis com toda certeza já sumiram”.

Em outro momento da entrevista afirmou que os papeis que quer tornar públicos são os de empréstimos concedidos pelo BNDES. “Você acha que tem algum arquivo? Os papeis têm um prazo de validade. Eu quero pegar os papeis do BNDES. Ver onde Dilma e Lula emprestaram dinheiro”.

Sobre o jornalista Vladimir Herzog, Bolsonaro afirmou que o que há é uma “suspeita” de assassinato.

O capitão da reserva admitiu que tenha falado falado na Câmara que 1 dos “erros da revolução seria o de não ter fuzilado” o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

“Na tribuna da Câmara, tenho imunidade para fazer o que quiser, gostem ou não”, disse

Perguntado se considera-se 1 democrata, respondeu que sim.

Ao fim, perguntado sobre 1 livro de cabeceira, citou “A Verdade Sufocada”, do Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra. Não respondeu quem considera seu herói histórico e citou o versículo da Bíblia “e conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” como frase de inspiração.

Lula e PT

Bolsonaro mencionou o PT várias vezes. Disse ter mais votos do que Lula: “o sentimento que tenho é que tenho muitos mais votos do Lula. A aceitação é enorme ao meu nome”.

O militar também falou que a ex-presidente Dilma Rousseff  “não lutou por democracia”. Mencionou a ligação da petista com governos latino-americanos de esquerda: “onde ela esteve na semana passada? Representando o Foro de São Paulo em Cuba”. 

Paulo Guedes e economia

“Duvido que poderá haver briga entre nós. Em algum coisa, o convenci sobre a parte da política. Ele me convenceu na economia. Por varias vezes, falei que havia um filtro, que é o Congresso. Ele é meu posto Ipiranga. Aqui temos o general Augusto Heleno, que também é meu posto Ipiranga”, disse o capitão da reserva a respeito do economista Paulo Guedes.

Sobre ter uma outra opção para o ministério da Fazenda, Bolsonaro disse não ter plano B: “para tristeza da esquerda, dos estatizantes, nós não morreremos”.

Sobre sua fama de votar em propostas que aumentam o peso do Estado, o candidato afirmou: “minha fama estatizante é que votei contra o Plano Real”.

Reforma da Previdência

Bolsonaro voltou a criticar a reforma previdenciária defendida pelo governo Michel Temer. Falou, no entanto, sobre a necessidade de se realizar mudanças no sistema de aposentadorias e que incluirá em seu projeto regras diferenciadas para policiais.

“Na 1ª reforma de Temer, tinha o policial com [idade mínima para aposentar-se aos] 65 anos. Me pergunto se esse policial vai estar com arma ou uma muleta. Pega a expectativa de vida do Rio. Está abaixo de 60 anos”.

Segundo o militar, a diferenciação não se trata de 1 privilégio. O militar afirmou que tentará fazer uma reforma “paulatinamente”“Se for no ferro e fogo não vou chegar a lugar nenhum”, disse.

Acusações de racismo e cotas

Bolsonaro refutou a denúncia contra ele encaminhada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge. A acusação se baseia em 1 episódio em que Bolsonaro disse que “o afrodescendente mais leve pesava 7 arrobas”. 

“Posso ter exagerado, mas costumo fazer esse tipo de brincadeira. Racismo é impedir 1 afrodescente de fazer alguma coisa. Pode ser uma brincadeira infeliz, pode, mas não é racismo”.

O candidato defendeu a redução de cotas para universidades e concursos públicos.

“Não vou falar que vou acabar [com as cotas], porque depende do Congresso. Quem sabe a dimunição do percentual. Não só para universidade, mas para concurso público. Pelo amor de Deus, vamos acabar com essa divisão no Brasil”, falou.

“É justo minha filha estar na universidade por cota? Meu sogro é o Paulo Negão. Imagina 2 pais com trabalhos humildes: o filho do paraibano tira 9 e não entra e o afrodescente tira 5 e entra. Vamos querer encontrar cota para o nordestino?”

Indagado sobre os problemas históricos dos negros no Brasil, o militar afirmou não haver dívida.

“Que divida? Eu nunca escravizei ninguém. Os portugueses nunca pisaram na África. Os negros eram entregues pelos próprios negros. Que dívida é essa?”

Diante do pedido para comentar sobre Nelson Mandela, afirmou: “Tem que ver o passado dele. Não é isso que foi pintado”.

Cunha e Maluf

“Raras vezes estive ao lado do Eduardo Cunha. Queira ter estado mais vezes. Quando se fala em Maluf, o Joaquim Barbosa foi muito claro. Falou que fui o único deputado não comprado pelo PT”.

Posteriormente, afirmou: “Não sabia que [Cunha] tinha problemas. Como sei daqueles negócios dele? O Maluf era acusado o tempo todo. Queria que eu fizesse o quê? Se ele sentasse do meu lado, que eu levantasse e fosse embora?”

Bolsonaro teve passagens pelo PP e pelo PPB (antigo PP).

Atuação na Câmara e intervenção no Rio

Bolsonaro questionou a ideia de ter 1 fraco desempenho como deputado federal, com a aprovação de poucos projetos em seus 7 mandatos.

“Tenho uns 500 projetos apresentados. Você olha o Ciro Gomes (PDT) por 4 anos. Além de não aprovar zero, não apresentou”, comentou. “O projeto mais importante que aprovei, o STF considerou inconstitucional, que é o voto impresso. Por que meu projeto da castração química não vai pra frente?”

Sobre declarações antigas de que fecharia o Congresso Nacional caso fosse eleito, o militar disse que mudou de opinião.

“Quem nunca se indignou com o Congresso? Tem 20 anos que falei isso. A gente não evolui, não Eu era elemento marcado quando cheguei a Brasília e quantas vezes respondi de forma violenta”.

Sobre suas ações na intervenção federal no Rio de Janeiro, afirmou:“Que eu posso fazer, não sou governador do Estado. Não queria ser candidato, qual o problema?”

Ele reafirmou que não renovará as operações caso assuma o Planalto.

 

MSN

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.